Itália realiza o mapeamento global da água

0

A Joint Research Center, instituição de pesquisa italiana, realizou o mapeamento da água a nível global utilizando cerca de 3 milhões de imagens do satélite Landsat com resolução espacial de 30 metros no período entre 1984-2015.

Uma das conclusões do estudo é que localização e a permanência das águas superficiais (interiores e costeiras) afetam diretamente o clima, a atividade humana, a diversidade biológica e o bem-estar humano.  Os conjuntos de dados globais que documentam a localização da água superficial e sua sazonalidade, foram produzidos a partir de inventários, estatísticas e descrições regionais atrelados ao uso das imagens de satélites de alta resolução que mediram as mudanças em longo prazo.

O maior desafio foi utilizar mais de 3 milhões de imagens do satélite Landsat, mas isso possibilitou quantificar as alterações na superfície da água a nível global nos últimos 32 anos. O estudo registrou os meses e os anos em que a água estava presente, onde a ocorrência mudou e quais alterações houveram do fluxo da água em termos de sazonalidade e persistência. Em determinadas regiões as águas superficiais desapareceram de uma área de quase 90.000 km², embora novos corpos permanentes de água tenham se formado em uma área de 184.000 km².

Na maioria dos continentes foi possível verificar um aumento da água permanente, exceto na Oceania. Na grande maioria dos casos o aumento constatado ocorreu em virtude do enchimento de reservatórios, embora as alterações climáticas também estejam relacionadas. A perda do volume de água é geograficamente concentrada no Oriente Médio e na Ásia Central, pois mais de 70% da perda líquida global de água aconteceu nessas regiões, que sofrem com a seca e também com ações humanas, como o desvio de rios, represamento e retirada não regulamentada de água. As perdas na Austrália e nos EUA também estão relacionadas a longos períodos de seca.

Os dados obtidos no estudo demonstram os impactos causados pelas alterações climáticas e as oscilações do clima devido às mudanças ocorridas nas águas superficiais, evidenciando o impacto da ação humana nesse processo. As informações adquiridas serão disponibilizadas para servirem como base de estudos futuros, demostrando as evidências das alterações e auxiliando as tomadas de decisões que dizem respeito a gestão da água por meio dos mapas que foram produzidos para esta pesquisa.

Acesse o artigo completo aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA